ARTIGOS
Missões! O Que Vemos No Brasil, Será Coerente Com Nossa Visão?

“E qualquer que não levar a sua cruz, e não vier após mim, não pode ser meu discípulo” 

Lc 14:27

 

A Igreja Cristã Primitiva sofreu as perseguições dos religiosos da época e do Império Romano, que influenciou na dispersão e crescimento da Igreja. Esse crescimento foi tanto que chegou ao ponto de fazer com que o Império que a perseguia a admirasse pelo alcance de sua influência na vida das pessoas. 

Crescer não é o problema, todos temos de crescer, enquanto pessoa  saímos de nossa inexperiência da mocidade e partimos para um amadurecimento, o mesmo ocorre com nossa vida espiritual. A questão é que nesse caminho pode ocorrer um desvio do que aprendemos enquanto inexperientes.

 No caso da Igreja Primitiva ela cresceu e acabou matando a essência dos princípios aprendidos com Cristo através dos apóstolos, se deixando levar pela vaidade humana.

Assim chegamos a Idade Média e agora ela deixou de cumprir seu papel de pregar o Evangelho e resgatar as almas perdidas, se tornando uma organização de política, poder e dinheiro.

Assim Deus permitiu que homens de santos que ainda preservaram a essência da Palavra, agissem de tal maneira que iniciou-se uma reforma e com isso nascia uma Igreja renovada pelos princípios cristãos perdidos.

Mais uma vez, a Igreja reformada é perseguida pelos religiosos da Igreja corrompida, por seu exército e os de seus aliados.

Estes homens, santos e despojados, lutaram o bom combate, viveram e morreram fiéis ao Senhor, demonstrando que o mais importante é Cristo, não poder ou dinheiro, mas o ensino e a expansão do Evangelho.

Assim com sangue derramado destes homens iniciou-se um processo de avivamento em todo o velho continente, indo para as Américas. Depois destes avivamentos na Europa e nos EUA onde esta Igreja cresceu e se fortaleceu, esses homens e mulheres começaram a partir dos EUA para o mundo, e para o Brasil, em uma extensa lista de homens e mulheres que nos foram enviados e serviram com amor.

É importante notar que o trabalho destes homens e mulheres em terras estrangeiras tem sido abençoado por Deus, mesmo em meio a erros e novas tentativas de acerto. Estes e outros pioneiros trabalharam fielmente, assim outros novos missionários precisam juntar-se a esta lista ao longo dos anos e esse é nosso grande desafio.

Olhando para a história vejo hoje no Brasil uma igreja que em muitos casos parece pálida frente às necessidades do campo, interno e externo, preocupada com a construção de grandes templos, enquanto deveria estar semeando e colhendo milhares de templos para o Espírito Santo habitar. Será que isso aconteceu porque ela cresceu? Por que tem o apoio de governantes? Ou porque tem dinheiro e poder?

Será que se esquecemos da história, se esquecemos de nossas origens, será que estamos tão preocupados com nosso sucesso local tendo o máximo de pessoas dentro de 4 paredes apenas para nos ouvir e contribuir com o enriquecimento desta igreja local e nos esquecemos que na verdade nós temos que libertá-las das garras do inimigo ensinando-as a ir e pregar a Palavra de Deus?

Em minha caminhada pelo Brasil e exterior como consultor, utilizando meu trabalho como mecanismo de promover missões, tenho visitado muitas denominações e treinado muitas de nossas igrejas cristãs e felizmente ainda encontrei alguns poucos que continuam lutando e dando um bom testemunho, sendo que quase todas tinham em comum que eram pequenas ou médias, em sua maioria situadas na periferia e atuantes na comunidade, crescem de forma ordenada e com qualidade no ensino da Palavra. 

Em meio a uma Igreja dividida, que se esfacela por perder sua origem, perder bons homens de Deus, ainda encontramos aqueles que acreditam no verdadeiro evangelho, onde a Palavra é pregada, vidas são transformadas, discípulos são preparados e muitos sendo enviados para onde quer que o Senhor os mande.

Em tempos de conciência na cidadania do povo brasileiro, encontramos muitas igrejas brasileiras se abrasileirando nas coisas erradas, perdendo o chamado e suas raízes.

O que seria de nós se não fossem os que foram enviados por Cristo a nós, e quantos ainda estão à espera que você bata na porta em algum canto do mundo para lhes falerem a Palavra de Deus.

Oremos para os que como Eli  se perderam em sua caminhada possam como Zaqueu ou Paulo, transformarem-se em servos arrependidos e santificados, que trabalham pela necessidade da Igreja e do povo de Deus, não olhando para riquezas materiais ou poder, mas simplesmente para que as almas sejam alcançadas e libertas. 

Que o Senhor nos abençoe e nos guarde, que tenha misericórdia de nós e que nos de a Paz!

Pr. Ricardo Bueno